Você não está logado | Entrar | Cadastrar

Informativo

Cadastre seu email e receba as notícias do PPS





Seja um Filiado
21/11/2018

Senador de Sergipe confirma ingresso no PPS







Foto:
Senador de Sergipe confirma ingresso no PPS
Alessandro Vieira


Por: Imprensa PPS-PE

O delegado Alessandro Vieira (Rede), senador eleito por Sergipe, confirmou nesta terça-feira (20) sua migração para o PPS. Ele obteve 474.479 votos para seu primeiro mandato eletivo e foi o mais votado no estado nordestino na corrida ao Senado. A mudança pouco mais de um mês após as eleições é reflexo do mau desempenho da Rede nas urnas. O partido foi um dos atingidos pela cláusula de barreira, aprovada na minirreforma eleitoral do ano passado.


A cláusula prevê que apenas as siglas que atingiram 1,5% dos votos válidos, distribuídos em nove estados com no mínimo 1% em cada um deles, ou elegeram pelo menos nove deputados federais em pelo menos nove estados terão acesso ao fundo partidário e ao tempo de televisão e rádio. A cláusula de barreira aumenta seus percentuais progressivamente até as eleições de 2026.


O delegado disse ao Congresso em Foco que a mudança será em bloco. Levará para o PPS lideranças políticas estaduais, diversos vereadores e quatro deputados estaduais. A ida para o PPS é pelos planos já avançados de fusão dos dois partidos. O hoje senador da Rede pelo Amapá, Randolfe Rodrigues, também disse à reportagem que a união "vai sair sim".


Congresso
Em janeiro Rede e PPS realizarão congressos nacionais onde devem definir seus próximos passos. Segundo o senador eleito pelo Sergipe, a aposta no PPS se deve à sintonia com os ideais da Rede e com a disponibilidade demostrada pelo partido de se modernizar. O PPS já aprovou mudanças em seu estatuto e, a partir do próximo ano, também deve mudar de nome.


Fator Marina
O delegado afirma que a campanha presidencial da Rede "não funcionou bem". O partido da candidata a presidente derrotada Marina Silva viu grande parte de seu eleitorado migrar para o eleito Jair Bolsonaro (PSL). O político do PSL conseguiu abarcar apoiadores evangélicos e conservadores antes aliados de Marina. A ex-ministra chegou a ter mais de 16% nas pesquisas de intenções de voto, mas fez apenas 1% dos votos no primeiro turno.


Na tentativa de frear Bolsonaro e de encerrar o período de domínio de PT e PSDB, candidatos do chamado "Centrão" falharam e não conseguiram articular uma aliança. Marina e o também candidato derrotado Ciro Gomes (PDT) pregaram a renovação mesmo sendo velhos atores da política. O senador eleito pelo Sergipe diz que a estratégia não funcionou.


Segundo ele, a aposta na fusão da Rede com o PPS tem mais chances de vingar por incluir novos nomes eleitos em outubro. Ele próprio faz parte do Movimento Acredito e do RenovaBR, que têm como principal bandeira o combate à corrupção.


Rede barrada
Oficializada em 2015, a Rede não pode, por lei, se fundir com outro partido antes de completar cinco anos. A sigla planeja contestar a cláusula no Supremo Tribunal Federal (STF). Porém, se a regra for mantida, o senador eleito não a vê como obstáculo e afirma que antes do prazo de 5 anos pode haver uma união política, e não jurídica. Alessandro afirma ainda não considerar uma derrota da Rede a futura união com o PPS e diz que a dissolução precoce da sigla faz parte do "processo de criação de uma alternativa" na política.


Fonte: Congresso em Foco





Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 102 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Deixe seu comentário
Bloqueado
É preciso estar logado para deixar um comentário.
Clique aqui, cadastre-se e participe!!


Este conteúdo tem 0 comentário(s)





Enquete
Você é a favor ou contra a redução de ministérios?


Opa, selecione uma opção.










Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação | Hospedagem e Manutenção:Núcleo de Tecnologia do PPS
© Partido Popular Socialista - PPS (2008)